sexta-feira, 16 de novembro de 2012

ESTE BLOG ESTÁ SEM ACTIVIDADE DESDE 2010. A SUA MANUTENÇÃO SERVE APENAS COMO ARQUIVO E PARA EVENTUAL REUTILIZAÇÃO FUTURA.
UM ABRAÇO

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

De IMEDIATO, mais de 7.000 professores e educadores ASSINARAM A PETIÇÃO.

De IMEDIATO, mais de 7.000 professores e educadores ASSINARAM A PETIÇÃO.

Se ainda não assinaste, reforça esta exigência: Concurso em 2011!

 

 

Reunião no ME confirmou que medidas do Governo/ME provocarão mais desemprego e dificuldades ao funcionamento das escolas

Reunião no ME confirmou que medidas do Governo/ME provocarão mais desemprego e dificuldades ao funcionamento das escolas

 

Amanhã, 14 de Dezembro, pelas 17H30, na sede da FENPROF

 

É forte o ataque que tem sido desferido contra os trabalhadores da Administração Pública, no plano dos direitos sociais, do emprego, das carreiras e dos salários. Os professores são, neste plano, dos que mais sofrem os efeitos destas medidas, que se inserem nos objectivos definidos pelo governo de combate à “crise”. Duro é o golpe na escola pública com as medidas que lhes são dirigidas, seja pela via do próprio orçamento da educação, seja ainda pelo facto de também as autarquias estarem sujeitas a um dos maiores apertos de que há memória.

 

Um objectivo é claro – o Governo procurará reduzir o défice público por via da redução da despesa com recursos humanos: salários, carreiras, empregos...

 

Utilizando diversos artifícios, sejam orçamentais, sejam de uma adequada “optimização” dos recursos do sistema educativo, 2011 poderá ser, quanto ao emprego, um dos mais negros anos, com muitos despedimentos e muito precariedade atingindo milhares de docentes dos diversos níveis de ensino.

 

Amanhã, 14 de Dezembro, pelas 17H30, na sua sede, em Conferência de Imprensa, a FENPROF, no final da sua reunião do Secretariado Nacional, fará a análise das consequências das medidas já anunciadas pelo Governo e anunciará as acções em preparação, quer no plano jurídico, quer no plano da acção reivindicativa, para as contrariar.

 

P Antes de imprimir este mail pense bem se é necessário fazê-lo.


Este endereço de mail é só de envio de mensagens.

Caso pretenda contactar a FENPROF deve fazê-lo através de fenprof@fenprof.pt

OBRIGADO!

 

domingo, 5 de dezembro de 2010

Tributa os dividendos distribuídos por sociedades gestoras de participações sociais

Tributa os dividendos distribuídos por sociedades gestoras de participações sociais

Página de Opinião do autor e de publicação de textos de interesse geral, nomeadamente na área da educação, do trabalho, do ambiente, da política e da economia!

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Governo deve pagar o que deve

Os professores fazem mais de 30 milhões de horas extraordinárias por ano, não pagas, e a IGF vem falar em pagamentos indevidos de 11 milhões aos professores? Tenham vergonha. Paguem o que devem! Até o ME veio dizer que acusação era indevida... Mas o JN resolveu dar uma primeira página a uma não notícia.

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Cuba e as contradições do combate ao regime

A entrevista de Salim Lamrani, Professor na Sorbonne IV, jornalista, especialista em relações Cuba-EUA com Yoani Sanchez, uma dissidente cubana com lugar reservado nos media hegemónicos ocidentais, é esclarecedora. As suas palavras nesta entrevista explicam por que foi tão meteórica a sua ascensão e a promoção que tem.

 

Qualquer comentário é desnecessário.

 

Levantem-se!

Num dia em que muitos milhares de trabalhadores gregos estão em greve contra as medidas draconianas impostas por União Europeia e FMI devido a uma crise que não criaram e com a qual só perderam, os comunistas ocuparam simbolicamente a Acrópole de Atenas e deixaram de lá um recado para os trabalhadores europeus: «levantem-se!»

Um bom conselho, digo eu...


«O importante não é querer a paz, é lutar pela Paz»

Georgi Dimitrov

 

segunda-feira, 5 de abril de 2010

CONFERÊNCIAS SOBRE A TORRE DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

Este não é o único problema, nem o principal

Do Diário Económico de 2 de Abril
Parque Escolar pede auditoria

Na passada terça-feira, enquanto a ministra da Educação, Isabel Alçada, falava perante a Comissão de Educação e Ciência, a Parque Escolar anunciou ter pedido uma auditoria do Tribunal de Contas, considerando que as suspeitas em torno da actividade da empresa assumem contornos “eminentemente políticos” e nada têm a ver com opções de gestão. A administração da empresa repudia totalmente “alegadas ilegalidades ou
favorecimentos de qualquer natureza” e reafirmou desejo de “demonstrar toda a seriedade do seu comportamento, quer pessoal quer profissional”.
O Tribunal de Contas esclareceu posteriormente que já tem previsto em plano o acompanhamento da empresa Parque Escolar para este ano.